As Oportunidades do Executive Learning em Portugal

As Oportunidades do Executive Learning em Portugal

As Oportunidades do Executive Learning em Portugal

 

Pensar formação é, hoje, uma realidade substancialmente diferente da vivida no período pré confinamento pandémico. Se, então, a formação era ministrada (e comprada) para responder a requisitos de obrigatoriedade legal, hoje, as empresas vão mais além, pensando no impacto que cada ação de formação tem nas suas pessoas e nos seus negócios.

Se é verdade que o confinamento teve efeitos negativos, em muitas economias, não deixa de ser igualmente verdade que teve também efeitos positivos, nomeadamente na crescente exigência das empresas, na hora de contratarem serviços de formação. Hoje, as empresas são mais finas, na hora de estudarem soluções de formação, muito devido à escassez de recursos financeiros, agudizada pela pandemia.

No que ao Executive Learning diz respeito, acredito que as soluções de formação atualmente vigentes, estão mais democratizadas e acessíveis, ao mesmo tempo e nas mesmas condições de mercado, para várias empresas do mundo. Por outras palavras, o teatro comercial onde as empresas de formação esgrimem argumentos, é hoje visto de uma forma mais global e integrada, facto que se consubstancia na possibilidade de economias (aparentemente) mais frágeis e expostas, poderem “vir a jogo” e verem as suas soluções de formação serem implementadas em vários quadrantes.

Com este cenário em perspetiva, acredito que Portugal pode colher dividendos, exportando as suas soluções de formação para outras economias. O fator crítico de sucesso, prender-se-á com a forma como soubermos fazer coabitar o que de melhor temos: as nossas Pessoas e a envolvente tecnológica.

Temos de saber ser audazes e radicalmente ousados, investindo em soluções diferenciadoras que capitalizem o que de melhor sabemos fazer. Aqui, chamo, por exemplo, a atenção para as enormes vantagens competitivas que a Inteligência Artificial, por um lado, e as novas Tecnologias de Informação, por outro, podem trazer a lume, quando pensadas e incorporadas nos nossos modelos e metodologias de formação.

Hoje, a formação tem de fugir dos tradicionais métodos expositivos, para passar a ser assumida como uma verdadeira (e imersiva) experiência de aprendizagem, onde o “formador” dá lugar figura do “facilitador” que, mais do que passar conhecimentos, procura levar os seus grupos a chegarem a soluções de compromisso que levem a reais mudanças com impacto nas Pessoas e no Negócio.

Como defendido, sou um defensor, da necessidade de exportarmos as nossas soluções, pois estas, quando pensadas e implementadas de forma integrada, não deixam nada a dever às mais evoluídas economias do mundo.

Na Header™ Executive Learning, cedo assumimos metodologias diferenciadoras e impactantes que, sendo disruptivas, põem o seu relevo na Pessoa e no Negócio dos nossos clientes. Aqui, chamo a atenção para abordagens como o Lego Serious Play, o Design Thinking ou o Storytelling, entre outras, como abordagens de facilitação que fogem dos tradicionais modelos expositivos que, para além de ultrapassados, não levam a mudanças de comportamento estruturais.

Estamos muito empenhados em continuar a inovar e pensar diferente, estando atentos a nossas metodologias e Pessoas, que possam aportar valor a esta nossa estratégia.

As Oportunidades do Executive Learning em Portugal

Por José Barbosa, Business Director da Header™ Executive Learning

X